Perfil Corporativo e Histórico

Perfil Corporativo

Somos a maior distribuidora de energia brasileira e uma das maiores da América Latina, em número de clientes, e a segunda maior em quantidade de energia distribuída no Brasil, de acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Atuando a partir de uma plataforma integrada, estamos presentes em todos os segmentos do setor elétrico: distribuição, transmissão, geração (convencional e renovável) e comercialização de energia, com atividades em 16 estados brasileiros. Fornecemos energia para quase 20% da população do Brasil, com forte presença na Região Nordeste, uma das regiões que mais crescem no país em termos de PIB e populacionais.

 

Distribuímos energia em um território de aproximadamente 840 mil Km2 e atingimos uma população de mais de 34 milhões de pessoas, através de mais de 619 mil km de redes de distribuição, o que aliados à nossa atividade de transmissão de energia, desenvolvida através de 1.262 km de linhas de transmissão, compõe nossos negócios regulados (distribuição e transmissão), respondendo aproximadamente ¾ do nosso resultado medido pelo EBITDA em 2017(data base set/17).

 

Acreditamos que nosso negócio de distribuição se destaca pela eficiência e potencial de crescimento orgânico, sendo nossas subsidiárias no setor de distribuição reconhecidas, pelos consumidores de Rio Grande do Norte, São Paulo e Mato Grosso do Sul, pela qualidade dos serviços prestados, atestada pela posição de destaque que Cosern e Elektro sustentam no Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor (IASC), conforme publicado pela ANEEL em 2016, com referência àquele ano, tendo a Cosern sido eleita a melhor distribuidora do país dentre as que possuem mais de 400 mil clientes, e a Elektro sido eleita a melhor da região Sudeste.

 

Nossa plataforma de geração, com mais de 3,0 GW de capacidade instalada em operação, está baseada em matrizes de fontes limpas, com significativa participação de renováveis, e possui concessões de longa duração, assim como contratos de comercialização de longo prazo no mercado regulado (CCEAR´s). Acreditamos que a diversidade de matriz, aliada a nossa presença nos segmentos tanto de distribuição quanto de comercialização, permite-nos consistência na geração de resultados e mitigação de riscos.

 

Fundada em 1997, com a privatização das concessionárias de distribuição dos Estados da Bahia (COELBA) e do Rio Grande do Norte (COSERN), e tendo adquirido a CELPE em 2000, a Neoenergia investiu ao logo dos últimos 20 anos mais de R$30 bilhões, sendo, aproximadamente, R$20 bilhões no segmento de distribuição e R$12 bilhões no setor de geração, tornando-se uma das maiores empresas integradas do setor de energia elétrica latino-americano.

 

Este crescimento se deu essencialmente de forma orgânica, impulsionado por investimentos relevantes em melhoria de qualidade e universalização do acesso à energia em suas áreas de concessão, pelo desenvolvimento de projetos greenfield de geração, principalmente a partir de fontes limpas, além de linhas de transmissão.

 

De janeiro de 2009 a setembro de 2016, fomos responsáveis por aproximadamente 20% da totalidade dos recursos privados investidos no setor de distribuição no Brasil. A recente incorporação da Elektro consolidou a Neoenergia como uma empresa de energia elétrica integrada de referência na América Latina, resultado da combinação da ampla e diversificada plataforma de geração e distribuição, agora com presença em distribuição no Estado de São Paulo, o mais desenvolvido do Brasil.

 

Atuando no setor elétrico brasileiro, acreditamos que ele represente o maior potencial de crescimento da América Latina e uma das oportunidades de investimento mais atraentes entre os mercados emergentes.

 

Histórico

 

A Companhia iniciou seus investimentos em 1997 no segmento de distribuição de energia com a aquisição, no leilão de privatização, da COELBA (Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia), maior empresa de distribuição do Nordeste, pelo consórcio Guaraniana.

Historico

1997
  • Aquisição da COELBA (Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia).
  • Aquisição da COSERN (Companhia Energética do Rio Grande do Norte), ambas com concessão federal de 30 anos.
1999
  • Outorga da concessão de uso de bem público para exploração do aproveitamento hidrelétrico denominado Itapebi no rio Jequitinhonha (capacidade instalada de 462 MW).
2000
  • Aquisição da CELPE (Companhia Energética do Estado de Pernambuco), em leilão de privatização, pelo preço mínimo estabelecido de R$ 1,8 bilhão.
  • O negócio incluía o compromisso de construção de uma usina termoelétrica no Estado, dando início a construção da UTE Termopernambuco (capacidade instalada de 532 MW).
  • Início a construção da UTE Termoaçu, localizada no Estado do Rio Grande do Norte, em parceria com a Petrobras (capacidade instalada de 368 MW).
  • Criação da comercializadora NC Energia.
2003
  • Aquisição de 42% das ações da Itapebi que pertenciam à COELBA.
2004
  • Reestruturação e criação da holding com a adoção do nome Neoenergia.
  • Entrada em operação comercial da UTE Termopernambuco.
2005
  • Leilão de concessão para construção da UHE Baguari (capacidade instalada de 140 MW, 51% Neoenergia) e das PCHs Goiandira (capacidade instalada – 27 MW) e Nova Aurora (capacidade instalada – 21 MW).
  • Constituição da Afluente Geração e Transmissão de Energia Elétrica S.A. (capacidade instalada 18 MW) para atender as diretrizes de desverticalização das atividades de distribuição, dadas pela Lei nº 10.848/2004 e assumir os ativos de geração e transmissão da COELBA.
2008
  • Operação comercial da UTE Termoaçu.
  • Leilão de concessão da UHE Baixo Iguaçu (capacidade instalada 350 MW, 70% Neoenergia).
2009
  • Inauguração das PCHs Pirapetinga, Pedra do Garrafão, as UHEs Baguari e Corumbá.
  • Aquisição da autorização para construção, operação e manutenção da Subestação Narandiba.
2010
  • Aquisição da participação de 10% na UHE Belo Monte (capacidade instalada 11.233 MW), localizada no rio Xingu (PA).
  • Leilão de concessão de construção e exploração da UHE Teles Pires (capacidade instalada 1.819 MW, 51% Neoenergia).
  • 2º Leilão de fontes alternativas: aquisição de nove parques eólicos (capacidade instalada 258 MW, 50% Neoenergia)
  • Início da construção de 10 parques eólicos, nove arrematados no leilão e Caetité 1 no ACL (capacidade instalada total 30 MW, 50% Neoenergia).
  • Assinatura do Contrato de Concessão da Afluente Transmissão de Energia Elétrica S.A. e das usinas da Afluente Geração de Energia Elétrica S.A.
  • Entrada em operação comercial das PCHs Sítio Grande, Goiandira e Nova Aurora.
  • Conclusão das obras de construção da UHE Dardanelos.
  • Assinatura do Instrumento de Compra e Venda com a Iberdrola para aquisição das empresas de cogeração Energyworks e Capuava Energy (91 MW).
2011
  • Inicio de la operación de la subestación Narandiba.
  • Entrada en operación comercial de la UHE Dardanelos.
  • Adquisición de la concesión para construcción, operación y mantenimiento de la subestación Extremoz.
2012
  • Concessão para construção, operação e a manutenção da expansão da Subestação Brumado II.
  • Assinatura do contrato de concessão de Baixo Iguaçu, por meio da SPE Geração Céu Azul S.A. com prazo de 35 anos, após liberação da licença de instalação nº 17033, decorrente de longo processo de licenciamento ambiental.
2013
  • Início das obras de Baixo Iguaçu.
  • Entrada em operação comercial dos parques eólicos Mel e Arizona 1.
  • Conclusão das obras dos parques Caetité 2 e 3, e Calango 1, 2, 3, 4 e 5 com o status de “Aptos a Operação Comercial reconhecido pela ANEEL.
  • Leilão de transmissão da ANEEL 001/2013, com a aquisição do o lote G, para a construção, operação e a manutenção da Linha de Transmissão em 500kV com extensão aproximada de 196km e seus respectivos bays de conexão nas subestações Campina Grande III, na Paraíba e Ceará-Mirim II, no Rio Grande do Norte.
  • Conclusão da venda da UTE Termoaçu para a Petrobras, com a transferência de 23% da participação acionária da Neoenergia.
2014
  • Reformulação do acordo de acionistas que rege a parceria entre a Iberdrola e a Neoenergia na FEB. A empresa de controle original, Força Eólica do Brasil, sofreu uma cisão parcial na qual resultaram três companhias. Além da empresa original, que permaneceu sob o controle conjunto, foram criadas duas outras cada uma de controle de um dos sócios, ficando a Neoenergia sob controle da FEB 1, controladora dos parques Caetité 1 e 2 e Calangos 1,4 e 5. Nesse contexto a FEB 1 tornou-se uma companhia controlada pela Neoenergia que passou a consolidá-la pelo método global.
  • Contratação de seis novos parques eólicos, sendo três no Rio Grande do Norte e três na Paraíba (capacidade instalada 178,5 MW, 50% Neoenergia).
  • Operação comercial a expansão da Subestação Brumado II.
  • Operação comercial dos parques eólicos Caetité 1, Caetité 2 e Caetité.
2015
  • Concluída a operação de compra, pela Neoenergia, da participação que a Iberdrola detinha da COELBA e COSERN de 8,5% e 7,01% respectivamente.
  • Entrada em operação comercial da subestação Extremoz II.
  • Conclusão da construção de 4 UGs de Teles Pires, tendo a condição de “apta” reconhecida pela ANEEL, com a entrada em operação das duas primeiras mediante a disponibilização da linha de transmissão provisória no final do ano.

 

2016
  • Entrada em operação comercial a Linha de Transmissão de Potiguar Sul.
  • Entrada em operação comercial completa da UHE Teles Pires.
  • Entrada em operação comercial 5 parques eólicos (Calango 1, 2, 3, 4 e 5).
  • Entrada em operação em teste de Calango 6 e Santana 1 e 2.
  • Compra pela Geração CIII S.A. das ações de emissão da Energética Corumbá III S.A. pertencentes a Strata Construções e Concessionárias Integradas S.A. e Energ Power S.A.
  • Início do processo de venda à Contour da totalidade da participação societária detida pela Neoenergia nas seguintes sociedades: (i) Afluente Geração de Energia Elétrica S.A.; (ii) Bahia PCH I S.A.; (iii) Goiás Sul S.A.; (iv) Rio PCH S.A.; e (v) EnergyWorks do Brasil Ltda., com Capuava Energy Ltda.
2017
  • Conclusão da venda dos ativos de PCH e Cogeração para a Contour Global do Brasil Participações Ltda. em 17 de março de 2017.
  • Incorporação, em agosto, da Elektro Holding SA