Rating

S&P

Em 10 de Setembro de 2015, a Standard & Poor´s – S&P rebaixou os ratings de crédito corporativo atribuídos à Companhia e suas subsidiárias, COELBA, CELPE e COSERN, para ‘BB+‘ na Escala Global e ‘brAA+` na Escala Nacional Brasil com perspectiva negativa para ambos. Na mesma data, a S&P reavaliou o rating de crédito corporativo da Elektro Redes de ‘brAAA’ para ‘brAA+’. Este movimento foi reflexo do rebaixamento do Rating soberano do Brasil, devido à condição de setor regulado em que as concessionárias de energia elétrica estão inseridas. Itapebi e Termopernambuco também sofreram rebaixamento nos seus Ratings de Emissão que passaram de brAA+ para brAA.

Em 17 de fevereiro de 2016, a agência de rating S&P rebaixou novamente o Rating soberano do Brasil. Devido à condição do setor regulado citada no primeiro parágrafo deste item, os ratings de crédito corporativo da Neoenergia, Coelba, Celpe e Cosern foram rebaixados de ‘brAA+’ para ‘brAA-‘ na Escala Nacional Brasil com perspectiva negativa. Nessa data a Itapebi, Termopernambuco e NC Energia sofreram rebaixamento nos seus Ratings de Emissão que passaram de ‘brAA’ para ‘brA+’ e a Elektro Redes passou de ‘brAA+’ para ‘brAA-’. Em 21 de julho de 2016, a S&P reafirmou o rating de crédito corporativo da Elektro Redes, atribuído à empresa na revisão anterior.

Em 27 de março de 2017, a S&P reafirmou os ratings de crédito corporativo estabelecidos na revisão anterior atribuídos a Companhia e suas subsidiárias.

Em 23 de maio de 2017, a S&P também reafirmou o rating de crédito corporativo da Elektro Redes em ‘brAA-’. É importante ressaltar que, mesmo após o rebaixamento, a Companhia permanece entre as melhores empresas na escala de classificações do Rating do setor elétrico.

Em 12 de janeiro de 2018, a Standard & Poor´s – S&P rebaixou os ratings de crédito corporativo atribuídos à Neoenergia e suas subsidiárias para ‘BB-‘ na Escala Global e ‘brAA-`/Perspectiva Estável na Escala Nacional Brasil. Este movimento foi reflexo do rebaixamento do Rating soberano do Brasil, devido à condição de setor regulado em que a Neoenergia está inserida.

Em 24 de janeiro de 2018, a Standard & Poor´s – S&P reafirmou os ratings de crédito corporativo de longo prazo ‘BB-’ na escala global e os de longo e curto prazos ‘brAA-/brA-1+’ na Escala Nacional Brasil atribuídos à Neoenergia e suas subsidiárias em 12 de janeiro de 2018.

Em 11 de julho de 2018, a a Standard & Poor´s – S&P elevou os ratings de acordo com nova metodologia de crédito nas escalas nacional e regionais. Em razão dessa mudança, o rating da Neoenergia elevou-se de brAA- para brAAA, o que representa a mais alta capacidade geral de uma Companhia para honrar suas obrigações financeiras.
A perspectiva dos ratings corporativos permanece estável.

Em 24 de janeiro de 2019, a Standard & Poor´s – S&P reafirmou os ratings de crédito corporativo de Neoenergia e suas subsidiárias, Coelba, Celpe, Cosern e Elektro Redes em ‘BB-‘ na Escala Global e ‘brAAA` na Escala Nacional Brasil, com perspectiva estável, refletindo o rating soberano do Brasil, que limitam os da Neoenergia. Nesta mesma data, a S&P reafirmou os ratings de emissão ‘brAAA’ da Coelba, Celpe, Cosern e Elektro Redes, e ‘brAA+’ da Neoenergia, Calango 6, NC Energia e Termopernambuco.

Em 8 de abril de 2019, a S&P Global Ratings atribuiu o rating de emissão ‘brAA+’ na Escala Nacional Brasil à 1ª emissão de debêntures da Lagoa 1 Energia Renovável S.A. (Lagoa 1).

Em 10 de dezembro de 2019, a Standard & Poor´s – S&P reafirmou os ratings de crédito corporativo de Neoenergia e suas subsidiárias, Coelba, Celpe, Cosern e Elektro Redes em ‘BB-‘ na Escala Global e ‘brAAA` na Escala Nacional Brasil, alterando a perspectiva de estável para positiva, refletindo o rating soberano do Brasil, que limitam os da Neoenergia.

Em 06 de Abril de 2020, a Standard & Poor´s – S&P alterou a perspectiva dos ratings do Brasil na escala global de positiva para estável, refletindo as menores chances de uma elevação ao longo do próximo ano devido ao impacto negativo da pandemia do covid-19. Além disso, reafirmou os ratings soberanos “BB-” na Escala Global e ‘brAAA` na Escala Nacional Brasil.

Fitch

Em relação aos ratings publicados pela agência Fitch, em 26 de julho de 2017, foi atribuída a nota de crédito AA+, com observação negativa, para o rating corporativo da Elektro Redes. Em 04 de setembro a Agência removeu a observação negativa e rebaixou para AA-, com perspectiva estável e em 14 de dezembro do mesmo ano reafirmou a nota de crédito.

Para Calango 6, em 18 de janeiro de 2016, a Fitch atribuiu a nota A+, com perspectiva estável. Em 16 de junho a agência colocou essa nossa de crédito em observação positiva quando em 05 de janeiro de 2018, a Fitch elevou o rating para AA-, com perspectiva estável.

Em relação à Lagoa 1, em 11 de julho de 2017, a Fitch atribuiu o rating A+. Em 02 de outubro, a Agência elevou o rating para AA- e em 04 de janeiro de 2018, reafirmou o rating, com perspectiva estável. Já em 8 de abril de 2019, a Companhia solicitou à Fitch a retirada do rating da 1ª emissão de debêntures desta companhia.

 

Rating